• Gabriel Soares

A respiração dos animais



Sabemos que o ato de respirar é uma ação que compartilhamos com quase todos os seres do planeta, não é? Todos precisamos passar pelo processo de transformar oxigênio em energia. Porém, não acontece sempre da mesma forma. Continua lendo para entender como funciona a respiração de vários animais diferentes!


As baleias e seu controle da respiração.


Sabia que as baleias controlam muito bem a respiração? A cada inalação, conseguem renovar até 90% do ar dos pulmões, enquanto nós, humanos, conseguimos apenas 15%. Isso, claro, dá a elas um fôlego incrível. A baleia-cachalote, por exemplo, pode ficar até uma hora e meia sem respirar.

Ao chegar à superfície, a primeira parte do corpo dos mamíferos marinhos a aparecer são os orifícios respiratórios - espiráculos. Essas regiões são sensíveis como o nosso nariz e, em fração de segundo, percebem o ar exterior e se abrem. Nesse momento, o ar velho é expelido – sai com tanta força que espirra a água da superfície, fazendo o maior chafariz – e o ar novo entra.

Imagem: Instituto Australis


As cobras e seu único pulmão.


As cobras têm um único pulmão.


Você sabia que seu pulmão esquerdo é um pouco menor que o direito? Por que? É assim que há espaço suficiente para acomodar nosso coração. Essa é uma característica que compartilhamos com as cobras, que, certas espécies, desistiram completamente de dois pulmões e só têm um. O pulmão direito está totalmente formado, enquanto o esquerdo é apenas um pequeno saco. À medida que a cobra evoluiu, seus corpos tubulares exigiram órgãos mais longos e mais finos. Onde ainda existem pares de órgãos, como os rins, eles são empilhados uns sobre os outros, em vez de ficarem lado a lado. Então, por que se preocupar em ter um pulmão esquerdo vestigial? Em cobras aquáticas, o pulmão é utilizado como auxiliar de flutuação, mas, em cobras terrestres, é tudo um pouco misterioso.


Lembrando que nos nossos mergulhos em apneia, os pulmões também servem para flutuação ao retornarmos para superfície.

Por isso, jamais soltamos nosso ar lá no fundo!

Imagem: BBC


Os guepardos alternam a respiração de acordo com a necessidade.


Não é surpresa que o animal terrestre vivo mais rápido, o guepardo, tenha sido construído propositadamente para a velocidade. Isso inclui o sistema respiratório, projetado para levar oxigênio aos músculos da maneira mais eficiente possível, garantindo que o grande felino alcance sua velocidade máxima de 60 milhas por hora em apenas três segundos. Sua taxa de respiração dispara de 60 para 150 respirações por minuto, o dobro da dos humanos, para alimentar essa enorme expansão de energia. Se a chita conseguir pegar sua presa, levará 30 minutos para recuperar o fôlego e consumir o que pegou.


Nós também alternamos de respiração de acordo com nossa necessidade. No modo Simpático, entramos em ação, e, no modo Parassimpático, relaxamos, fazemos nossa digestão!

Imagem: BBC


As preguiças sabem respirar de cabeça para baixo.


As preguiças têm tiras de órgãos internos.


Alguns animais surpreendem e parecem estar pedindo problemas quando se trata de respiração. Pegue a preguiça. Ela passa uma enorme quantidade de tempo pendurada de cabeça para baixo e fazendo... Bem, não muito, realmente.


Você passou algum tempo de cabeça para baixo, é uma posição bastante desconfortável para se encontrar. Internamente, seus órgãos pressionam contra o diafragma e os pulmões, dificultando a respiração...


Então, como a preguiça gerencia isso com tanto sucesso?


Os cientistas descobriram que as criaturas desenvolveram a capacidade de "colar" seus órgãos internos ao esqueleto usando tecido fibroso para impedir que se movam quando invertidos. Isso economiza a energia necessária para a preguiça, necessária para sua existência não-energética.


As posturas do Yoga, conhecidas como “invertidas, ajudam a trabalhar o músculo do diafragma, exatamente porque nossos órgãos irão forçar o diafragma a se exercitar contraindo ao inspirar, tendo que ao mesmo tempo, fazer uma “musculação” empurrando os órgãos para cima.

Imagem: BBC


Sapos de vidro também têm três superfícies respiratórias separadas.


Sapos de vidro possuem 3 tipos de respiração.

Sapos de vidro são surpreendentes por uma série de razões. Não apenas sua pele é translúcida, então alguns de seus órgãos internos são visíveis por razões de camuflagem, mas eles também têm três superfícies respiratórias completamente separadas!


Eles obtêm oxigênio através de sua pele quando estão submersos em água, também têm uma membrana respiratória no revestimento da boca que pode extrair oxigênio e também praticam o método tradicional boca/pulmão.

Sabia que nós também podemos transitar entre NARIZ e BOCA dependendo da nossa demanda energética? Mas atenção, somente por poucos momentos, pois a ventilação nasal é a mais eficiente!

Imagem: BBC


Os pássaros usam seus bumbuns para respirar.


Nossos amigos dos ares precisam processar oxigênio com eficiência para obter energia suficiente para colocá-los no ar. Isso é especialmente importante para pássaros de alta altitude, como abutres, que voam a mais de 30.000 pés, onde o oxigênio é rarefeito (pouca pressão de oxigênio).


Para conseguir isso, as aves têm sacos de ar em todo o corpo, incluindo as extremidades traseiras, que transferem o ar para os pulmões. Quando a próxima respiração é tomada, esse ar é movido dos pulmões para os sacos aéreos, e, em seguida, o dióxido de carbono é liberado. Este sistema de duas respirações significa que o ar fresco atinge continuamente os pulmões, e, posteriormente, a corrente sanguínea.

Sabia que quando mergulhamos em apneia, consumimos nosso oxigênio e produzimos dióxido de carbono em um circuito fechado? Lá no fundo do mar, teremos o efeito contrário ao da altitude, ou seja, teremos pressão. Assim, teremos uma melhor difusão/oxigenação. Mas não se esqueça de retornar a superfície, respeitando nosso principal alarme: as contrações diafragmáticas geradas pela elevação do dióxido de carbono!

Imagem: BBC


Respire menos, viva mais!


Sabia que um dos aspectos em relação ao envelhecimento é a frequência respiratória? Cães, gatos e ratos possuem uma alta taxa respiratória e vivem por um período bem mais curto se comparado a um elefante, que respira de 4 a 6x por minuto e pode viver 80 anos. Uma tartaruga gigante, que respira de 4 a 5x por minuto, pode viver até 300 anos! Com isso, podemos perceber quanta diferença o simples ato de respirar pode acarretar a uma vida.





48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo